O que são os drives A: e B: do Windows?

No Windows temos o drive C:. E todo novo drive conectado ao computador ganha uma letra na sequência: D:, E:, F:, etc.

Então, o que são e onde estão os drives A: e B:?

RESPOSTA:

Adaptado de: http://superuser.com/questions/231273/what-are-the-windows-a-and-b-drives-used-for

Os computadores antigos como CP/M e IBM PC não tinham disco rígido (HD). Você tinha um drive de disquete, e era isso, a menos que você gastasse outros mil dólares em um segundo drive de disquete.

Se você só tinha uma unidade, era comum bootar a partir de um disquete, depois colocar o outro disquete com seus programas e dados, e em seguida executar o programa. Quando o programa terminasse, o computador iria solicitar que você inserisse novamente o disco de boot para que você pudesse usar a linha de comando novamente. Copiar dados de um disco para o outro era uma série de “Por favor insira o disco de origem na unidade A: … Por favor, insira o disco de destino na unidade A: … Por favor, insira o disco de origem na unidade A: …”

No momento em que o HD tornou-se barato, os computadores “caros” normalmente tinham dois drives de disquete (uma para inicializar e executar programas comuns, um para salvar os dados e executar programas específicos). E assim era comum para o hardware da placa-mãe suportar dois drives de disquetes em endereços fixos do sistema. Como foi criado no hardware, pensava-se que a mesma construção no sistema operacional era aceitável, e quaisquer discos rígidos adicionado à máquina iriam começar com C: por diante.

Durante a transição dos disquetes de 5.25″ (que eram de um material mais “floppy” (flexível)) para 3.5″ discos (que eram envolvidos em um plástico mais rígido), era comum ter as duas unidades em um único sistema, e novamente ele foi suportado (no sentido de fornecer suporte) na placa-mãe com hardware, e no sistema operacional em endereços fixos. Como quase nunca um sistema ficava sem letras de unidade, não foi considerado importante fazer com que essas unidades (A: e B:) ficasse disponíveis no sistema operacional, até muito mais tarde quando as unidades foram removidas juntamente com os endereços devido ao padrão Plug’n’Play.

Muitos softwares foram desenvolvidos desde aquela época, e infelizmente muitos deles esperavam o armazenamento de longo prazo na unidade C:. Isso inclui a BIOS, software que inicializa o computador. Você pode ainda anexar duas unidades de disquete, bootar em um DOS 6.1, e usá-lo como você faria no início dos anos 90, com drives de disquetes A e B.

Assim, em grande parte a razão para iniciar o disco rígido em C é para compatibilidade com versões anteriores. Enquanto o sistema operacional abstraiu o armazenamento de dados em algum grau, ele ainda trata A e B de forma diferente, de tal forma que permite que eles sejam removidos do sistema, sem alterá-lo, armazenando em cache de forma diferente, e (devido aos virus antigos) tratando seus setores de boot com mais cautela do que o setor de boot do disco rígido.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s