Cronograma: a arte de prever o futuro e a frustração da realidade

Quase no fim do projeto, prestes a fazer uma apresentação, é hora de se deparar com aquele cronograma que, no fundo, você sabia que não seguiria daquela forma, por experiências anteriores, mas que você teve que entregar devido à norma acadêmica.

Um bom cronograma é feito, preferencialmente, por vários profissionais experientes. Um estudante, que vai entrar em um tema novo para fazer novas descobertas (novas para si) não tem como prever um cronograma, por mais que os professores queiram sonhar que seja possível.

Então, agora entra um pouco de realidade no cronograma: o passado. O que foi feito até aqui será documentado, e vamos fazer um novo exercício de prever o futuro, que costuma ser frustrante, mas é a norma acadêmica.

Talvez o objetivo seja justamente ensinar ao estudante que ele não tem bola de cristal.

Antes de qualquer coisa, é hora de procurar onde você guardou aquele arquivo do Planner¹… Por sorte, ao abrir o software, o documento está lá nos arquivos “recentes”, já que você não usa esse software pra mais nada. Regra básica do estudante universitário: não formate seu computador antes de terminar o curso.

Também é hora de lembrar como era frustrante exportar o cronograma para imagem de um tamanho que fosse possível encaixar na A4 da monografia. Maldito seja o documento impresso em plena era digital.

Agora, alterando o cronograma, toda aquela conversa bonita de “análise”, “modelagem”, “implementação”, “testes”, “correção”, etc, vira “cursando matérias”. Pois uns 80% do tempo livre (que é só à noite, se você também trabalha) foi gasto cursando matérias, e não houve tempo para fazer o projeto em si, exceto nas férias. E como você passou as férias fazendo o projeto atrasado, você nesse momento se encontra com um forte desânimo, necessitado de férias, e ainda atrasado, já que o ânimo e a concentração foram embora. Resta tentar desabafar em seu blog para tentar recuperar um pouco do ânimo.

Feito o cronograma, aquele embrulho no estômago ao ver um trabalho que poderia ser científico se tornando ciência industrial, e a dúvida sobre o quanto disso é culpa do sistema da universidade e quanto é culpa sua.

REFERENCIAS

[1] – Planner é um software de gerenciamento de projetos bacaninha e gratuito, para Linux e Windows.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s